1/2
  • Por Roque Tomazeli*

Mais brasileiros pretendem viajar com seus “pets” na retomada do setor

Segundo pesquisa da Decode, empresa especializada em análise de dados, as buscas por hotéis “pet friendly” (aceitam animais de estimação, os pets) cresceram 238%, e por informações de como levar cachorro em avião, 170%. Outro dado, agora do site hotéis.com, mostra que 82% dos brasileiros pretendem viajar com seus animais de estimação no pós-pandemia. Alguns estabelecimentos turísticos já começaram a se adaptar para receber este novo hóspede.

Presença crescente de animais de estimação em viagens de brasileiros


Um exemplo dessa mudança é o Hotel Doral Guarujá, que possui o selo “Turismo Responsável”, do Ministério do Turismo. Em sua retomada, o estabelecimento se adaptou para receber este novo cliente, contando com uma assessoria especializada no assunto que montou algumas políticas “pet friendly”. Com isso, segundo o hotel, foram pensados espaços exclusivos para os animais e seus donos, que incluem apartamentos adaptados com tapetes higiênicos e comedouros.


No Rio de Janeiro, o governo do Estado criou no fim do ano passado o selo “Pet Friendly”, que sinaliza à população os serviços voltados para os animais de estimação. Desde a criação, mais de mil estabelecimentos, entre hotéis, bares e restaurantes já se cadastraram.


ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO

Conforme a Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação, o Brasil é o segundo País no mundo em população de cães, gatos e aves canoras e ornamentais e o terceiro maior em população total de animais de estimação tendo:


54,2 milhões de cães;

23,9 milhões de gatos;

19,1 milhões de peixes;

39,8 milhões de aves;

2,3 milhões de outros animais.


Total: 139,3 milhões de pets.


DICAS

Saúde: carteira de vacinação, vermifugações e antipulgas sempre em dia. Manter a saúde do pet permite - ou não - ao tutor levá-lo para a viagem. É preciso saber a localização de clínicas veterinárias 24 horas no destino;


Identificação: “microchipar” é uma forma de identificação bem útil e comum atualmente. O pet é cadastrado num banco de dados, que pode ser acessado por qualquer veterinário ou agente sanitário, por exemplo. Isso facilita a localização caso o pet se perca;


Remédios: não medicar os animais para tranquilizá-los durante voos, por riscos à saúde do pet. Existem remédios que relaxam e diminuem o enjoo, mas eles são recomendados em viagens de carro ou ônibus. Cada tutor deve conversar com o veterinário para saber a indicação;


Transporte: cada companhia aérea tem suas regras para levar animais, na cabine ou no porão. O mais importante é adaptar o pet à caixa de transporte. Para viagens de carro, recomenda-se cinto de segurança ou caixa própria. De ônibus, sempre dentro da caixinha.



*Com Assessoria de Comunicação do Ministério do Turismo (e foto)