1/2
  • Por Roque Tomazeli

Hospital: reunião aumenta desconfiança sobre o futuro do São Miguel

Na última reunião ordinária de 2017 do Conselho Municipal da Saúde (CMS), com a presença do prefeito Fedoca Bertolucci (PDT), do presidente da Câmara Municipal, vereador Luia Barbacovi (PP), e do promotor de Justiça, Max Guazzelli, nenhuma decisão tranquilizadora sobre o futuro do Hospital Arcanjo São Miguel (HASM) foi anunciada.

Crédito foto: Carlos Borges | PM

Reunião do CMS discutiu a intervenção do Município no Hospital São Miguel

A intervenção do Município no HASM vem de fevereiro de 2016, ainda no governo Nestor Tissot (PP), e no período de quase dois anos, conforme números da Prefeitura, o hospital já recebeu R$ 28,7 milhões entre recursos do Município, Estado e União.

Segundo o prefeito Fedoca Bertolucci, mais de dez audiências, sem êxito, foram realizadas em Brasília, na tentativa de aumentar os recursos em atendimentos de média e alta complexidade ambulatorial e hospitalar.

Em outra frente, relatou o prefeito, mais de 20 investidores mostraram interesse inicial no hospital, mas desistiram em razão de cláusulas de matrícula, que vinculam o imóvel à necessária utilização para a existência de um hospital, ou pelo fato de Gramado ser uma cidade pequena, o que afasta grandes empreendedores da área da saúde.

DESAPROPRIAÇÃO

O presidente do CMS, médico Cesar Maciel, defendeu a desapropriação do hospital e a criação de uma associação local, composta pela comunidade, empresários e profissionais da área, com a finalidade de administrar o HASM.

Para o promotor de Justiça, Max Guazzelli, que acompanha a intervenção desde o início, se o caminho for o da desapropriação, o Ministério Público auxiliará em questões como a de avaliar a idoneidade dos pretendentes à gestão do Hospital Arcanjo São Miguel.

#IntervençãonoSãoMiguel #RepórterGramado #MaxGuazzelli