1/2
  • Por Roque Tomazeli

Achoco quer qualidade no chocolate e participação do setor em eventos

Nem só para os preparativos da Páscoa está voltada a atenção do empresário Altanísio Ferreira, dono do Chocolate Gramadense. Ele é presidente da Associação das Indústrias de Chocolates de Gramado (Achoco) e quer garantir a qualidade do chocolate produzido aqui, aumentar a participação em eventos, e buscar novas áreas para instalações de empresas.

Altanísio Ferreira preside a Achoco - Foto: Roque Tomazeli

A boa novidade para o setor é a Indicação de Procedência, um sinal distintivo concedido pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), e refere-se ao nome do local que se tornou conhecido por fabricar determinados produtos. (Os doces de Pelotas, por exemplo, já têm.)

– Vamos levar o projeto da Indicação de Procedência adiante. Queremos no mínimo 35% de cacau da produção de chocolates. Nada inferior a isso. As empresas maiores de Gramado podem produzir matéria prima para os pequenos fabricantes. Com qualidade, que deve ser o nosso diferencial – diz o presidente da Achoco.

Segundo Altanísio, a Achoco conta com 10 empresas filiadas e pretende aumentar a participação dos chocolateiros em eventos, como o da Páscoa em Gramado (30 de março a 16 de abril), uma realização da Gramadotur. “É importante para nós. Também pensamos em criar uma atração para os meses de agosto, que é o mês do chocolate”, revela.

Os números do setor são estimativos, mas Gramado deve comercializar ao redor de duas mil toneladas de chocolates por ano, empregando cerca de mil pessoas na produção de Páscoa nos mais de 20 fabricantes da cidade. “Dá para crescer, mas precisamos de definições do poder público, especialmente a criação de áreas apropriadas para a instalação das empresas”, avalia Altanísio Ferreira.

Foto: Altanísio Ferreira preside a Achoco

Crédito foto: ROQUE TOMAZELI

#PáscoaemGramado #chocolatedeGramado #AchocoGramado