1/2
  • Por Roque Tomazeli*

Hospital São Miguel: Ministério Público (MP) e Secretaria Estadual da Saúde (SES) avaliam venda

O subprocurador-geral de Justiça para Assuntos Institucionais, Júlio César de Melo, e o promotor de Justiça de Gramado, Max Guazzelli, debateram na sexta-feira, 11, com a secretária de Estado da Saúde, Arita Bergmann, a situação do Hospital Arcanjo São Miguel, vendido pela Associação Franciscana (Sefas) para uma empresa privada.

Muitas dúvidas sobre negócio envolvendo o Hospital São Miguel


Conforme Guazzelli, os adquirentes não pretendem trabalhar com filantropia, o que representa um elevado custo adicional nas contas do hospital. De acordo com o promotor, cerca de 60% das receitas vem do SUS e a ocupação média é em torno de 50%.


Já o subprocurador Melo disse que a preocupação do MP é com a viabilidade da continuidade da prestação dos serviços públicos de saúde e o atendimento à população pelo SUS, em razão do fim da filantropia e o fechamento das contas.

Secretária da Saúde do RS e representantes do MP discutiram situação do Hospital São Miguel


Os representantes do MP solicitaram auxílio da SES para a elaboração de um questionário aos adquirentes, a fim de obter informações mais detalhadas que dê segurança na assinatura de um eventual Termo de Ajustamento de Conduta com a empresa, a Prefeitura de Gramado e a Associação Franciscana.


PLANOS

Segundo Max Guazzelli, não há um plano de ação, nem plano de viabilidade da operação do Hospital São Miguel, sendo necessárias mais informações da empresa de como se dará a prestação de serviço de atendimento público, especialmente por ser o único hospital da cidade.


A secretária da Saúde assumiu o compromisso de auxiliar na elaboração dos questionamentos mais relevantes.


O hospital está sob intervenção do Município desde fevereiro de 2016.


*Com informações Ascom MP


Crédito foto hospital: Roque Tomazeli


Crédito foto reunião: Ascom MP