1/2
  • Por Roque Tomazeli

Obra pública de creche segue abandonada e em ruína no Bairro Piratini

O espaço onde deveria funcionar uma escola de educação infantil já foi o único campinho de futebol de areia para as crianças do Bairro Piratini. Há três anos, virou um amontoado de lixo, com paredes tomadas de limo, vidros quebrados, aberturas apodrecidas e parte das estruturas desaparecidas.

Crédito foto: Roque Tomazeli | RG

Este é o retrato de uma obra pública iniciada no governo Nestor Tissot (Progressistas) e mantido no atual, de Fedoca Bertolucci (PDT). A obra fica na Rua Corte Real, esquina com a Rua Farrapos, no Bairro Piratini.

Na vizinhança, além de moradias e comércio, funcionam a Escola de Educação Infantil Julita Tissot II e a Escola de Ensino Fundamental Senador Salgado Filho, a maior de Gramado.

A MVC, construtora responsável pela obra, sempre alegou que a paralisação (são cerca de 70 obras em 47 municípios do RS) ocorreu devido à suspensão de verbas do governo federal, a partir de 2015.

PREFEITO

No dia 2 de março deste ano, em audiência pública nas dependências da Escola Senador Salgado Filho, o prefeito Fedoca Bertolucci disse que havia obtido autorização legal para concluir a obra.

No entanto, segundo ele, a única empresa especializada em projetos como o da obra paralisada não mostrou interesse em executar o serviço.

Três anos depois do início da obra, um ano e meio depois do início do atual governo municipal, e cinco meses depois da esperança dada pelo prefeito aos moradores do bairro, de terminar a construção da escola de educação infantil, nada foi feito no local.

#EMEIBairroPiratini #RepórterGramadoRecessoParlamentardeVerão